quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Impressões Perenes


Hey apples!

Eu sei que estou meio atrasado, tive alguns problemas com internet e com o tempo (sempre a mesma desculpa =P). De qualquer maneira eu quero compartilhar um pouco do que eu achei da Bienal do Livro.



Bem, eu queria escrever assim que chegasse da Bienal pra ter todos os sentimentos ainda fervilhando e poder descrever o que aconteceu por lá da melhor maneira possível. Queria arranjar palavras bonitas aproveitando a inspiração e a empolgação. Queria poder dizer que assim que cheguei em casa peguei o notebook e arranjei as palavras na tela como se uma das fadas de Carolina Munhoz estivesse me inspirando. 

Mas não foi bem assim.




Eu cheguei em casa morto. Eu estava realmente cansado de andar para lá e pra cá na Bienal. Cansado da enorme viagem de volta pra Santana de Parnaíba. Morrendo de frio e com a garganta doendo mais que tudo. Mas também não posso dizer que cheguei em casa e descansei. Eu não cheguei, tomei banho, comi algo pra acalmar o estomago e fui dormir. Queria tê-lo feito, mas não fiz.
Quando eu cheguei, a primeira coisa que fiz foi olhar mais uma vez para meus livros. Arriei a mochila com todo cuidado, abri. Precisava ver os meus Dragões de Éter autografados. Só então percebi o quanto a mochila estava cheia. É uma mochila grande, 48 litros, própria pra fazer caminhadas. Entupida de livros. Imaginei a figura que eu deveria ser andando para la e pra cá entre os estandes com uma mochila de 48 litros nas costas...

Peguei meus Dragões de Éter para ver os autógrafos. Mas desisti no meio do caminho entre pegar a capa e abrir. Baixei o Caçadores de Bruxas e fui olhar meus outros livros. Tudo que fiz foi olhar um pouquinho, pegar um ou outro e admirar as capas, ler um pouquinho da sinopse. Quando eu finalmente resolvi tomar banho já tinha se passado mais de uma hora.
Tomei meu banho, peguei uns biscoitos e voltei pros meus filhos. Não sei que horas da madrugada fui dormir, mas os bichos todos pareciam já estar acordando.

Assim venho escrever sobre a Bienal um dia depois. Mas não tenho receio de ter perdido o frescor das sensações. Na verdade elas estão fervendo ainda. Pra dizer melhor ainda eu acho que elas vão me aquecer por muito mais tempo.

Estar na Bienal foi impagável! Incrivel! Foda demais!

Desculpa a expressão, mas entenda que sou jovem, empolgado e não tenho outra pra expressar o que senti. Acontece que aquele lugar era enorme, e só tinha livros. Todos estava lá somente pelos livros, e posso dizer com a absoluta certeza de quem precisava andar a passo de tartaruga com uma mochila de 48L nas costas. Agora, pensando assim, com aquela mochila enorme eu bem devia estar parecendo uma tartaruga mesmo...
Mas não importa. O que importa é que depois de 5 anos eu finalmente encontrei Raphael Draccon.


Eu li Dragões de Éter – Caçadores de Bruxas em 2007, assim que saiu, sentado no chão da Livraria Siciliano. Achei a historia incrível e a inteligência do autor insuperável. Era algo que eu nunca tinha visto antes. E desde então comecei a sonhar com Nova Ether. Um tempo depois descobri que o autor era brasileiro e se chamava Raphael Draccon. Daí pra procurar mais na internet, entrar na comunidade do Orkut e começar a falar como um louco foram dois tempos. De lá para cá muitas coisas aconteceram. Saíram mais dois livros, um comigo como personagem; conheci muita gente, amigos de verdade; houve um concurso de contos do qual fui vencedor, e, como premio, ganhei o privilégio de moldar a vontade dos semideuses de Nova Ether para criar Emile.

Apesar de tantas coisas boas terem acontecido, algo faltava. Eu nunca tinha encontrado o Criador, nunca tinha visto Draccon. O máximo que cheguei perto disso foi numa conferencia por Skype, parte do premio do concurso de contos. A minha falta de sorte era tão grande que até mesmo quando Raphael foi em Salvador, depois de muito tempo, vários dos meus amigos a quem eu tinha apresentado o livro puderam ve-lo. Mas eu estava longe, estava do outro lado do Brasil.

Agora junte os 5 anos de espera a mais um milhar de gente falando de como o Criador era legal. Como se não bastasse, uma coisa sempre foi certa: Draccon se importava com seus fãs. Se importava ao ponto de entregar uma de suas personagens para ser criada por eles. Sempre que pôde estava respondendo coisas no twitter, compartilhando links no facebook, postando coisas em seu blog. O cara sabe cativar. Isso deveria decerto acalmar os meus ânimos, pois ele sempre foi presente no contato com os fãs. Mas não. Pra mim só aumentava o desespero de ainda não ter encontrado um autor tão diferente, uma pessoa tão incrível.

Finalmente encontrei o Criador.

Entrei na Bienal, junto com Carolina Feng e fiquei louco com tantos estandes e tantas pessoas. Fomos procurando o estande em que ele estava e, de tanto andar, acabamos nos desencontrando. Mas celular tá aí pra ajudar aos perdidos. Um dos amigos me disse que eles estavam voltando para o estande da Leya (por onde já tínhamos passado). Voltamos pro estande da Leya e ainda no caminho avistei um exercito de fãs gritando. Gente com cosplay, gente com a camisa da comunidade, gente que eu nunca tinha visto e rostos conhecidos. Esqueci de tudo ao redor e entrei correndo na fila de gritadores. Paramos na frente de Draccon. Alguém me deu uma mochila pra segurar e percebi que era Moises Suhet. Ele foi a frente e começou a homenagem ao Criador de Nova Ether. Nós cantamos e ele se emocionou. Me emocionei já de gritar, de fazer parte daquilo. De repente percebo Yaramar no meio das pessoas. Tanto que quis encontrar ela! Ela me deu um abraço e me guiou até Raphael.

Vou ser franco. Apesar de todas as pessoas ali, de todo o barulho que uma multidão é capaz de fazer, não ouvi mais ninguém. O Criador me deu um abraço, eu murmurei alguma coisa sobre finalmente tê-lo encontrado e ele me disse: Obrigado.

Eu não sei o que diabos pode acontecer na mente das pessoas em uma hora dessas. Talvez um moleque de 8 anos que receba a provação por algo que fez entenda mais ou menos o que eu senti. Talvez o rapaz apaixonado quando, depois de muito sofrer em vão, descobre que o sentimento é reciproco entenda mais ou menos o que eu senti. Talvez um escultor que trabalhou pesado e por muito tempo em uma obra-prima, quando termina o seu trabalho, se orgulha das horas gastas e recebe vários elogios entenda mais ou menos o que eu senti. O que eu sei é que eu mesmo não sei o que foi aquilo. Mas a felicidade não cabia em mim. 

Incrivelmente eu não explodi como sempre acontece. Não saí gritando, pulando, abraçando pessoas a esmo. Não disse “VEEEEY! MENTIU!”.  Incrivelmente tudo que consegui fazer foi sorrir e sentir um calor desconhecido se espalhar pelo meu corpo. Não lembro direito o que aconteceu depois. Sei que respondi a algumas piadas, tirei fotos e agi com toda naturalidade do mundo. Mas o tal calor ainda permeava minhas veias.

Durante o resto do dia aproveitei a companhia dos amigos antigos e conheci alguns novos. Pessoas que sem duvida assumiram papeis importantes na minha vida. Amizades forjadas no éter que tenho certeza que podem transcender mundos sem fim. Conversei mais um pouco com o Raphael enquanto ele finalmente assinava meus livros. Conheci a linda da Carolina Munhoz e me convenci de que tenho que ler o livro dela pra ontem. Comi comidas que não valiam o preço, ri muito, fui extremamente feliz por horas a fio. E conheci Yaramar.



Conversava com Yaramar antes de saber que ela assessora do Draccon. Com o tempo fui sendo conquistado pelo seu jeito e atenção. De repente estava cativado por sua essência, pelo carinho com que ela nos tratava. Ano passado, se bem me lembro, descobrimos que a Yaramar era, na verdade, mãe do Raphael Draccon. Pra mim foi uma revelação e tanto. Acontece que eu queria ve-la tanto quanto queria encontrar Raphael. E pude conversar com ela na Bienal e perceber o quanto ela é especial. Agora tenho certeza que a admiro tanto quanto admiro o seu filho. E olha que o cara é autor de uma de minhas series favoritas.

Posso dizer que a Bienal foi uma experiência sem comparações. Cheguei em casa quase bêbado de felicidade. Foram inigualáveis os momentos que passei. Os amigos, os livros, os autores (inclusive Marcos Monjardim ;P). Ouvir da Yaramar e do próprio Criador que eu era especial para a saga e para eles.
O calor desconhecido que se espalhou por meu corpo se concentrou em algum lugar do meu peito. Faz pressão quando o menciono, volta a correr quando relembro. Mas sei que, seja lá o que for, não vai embora tão cedo. Vai continuar me aquecendo com irradiações de alegria, de felicidade.

8 comentários:

  1. Hey Apple!

    Gostei muito de te conhecer! Fica o abraço! Parabéns pelo blog!

    Abrass

    ResponderExcluir
  2. Hey man, emocionou vei. VEIIIIIIIIII, falo bonito.

    ResponderExcluir
  3. Vey...As lágrimas descem, a emoção toma conta do meu ser, a saudade destes momentos se torna imensa e o orgulho de ter conhecido uma pessoa tão linda como você, Jau, é impagável. Qualquer coisa que diga neste momento não refletirá a força da realidade, então só posso parafrasear o Criador e dizer...obrigada.

    ResponderExcluir
  4. Galileu, foi muito bom ver vc tb. Acho q vc deveria começar a comparecer nos Eterencontros. =D

    Angeliski, faltou vc la vey!!!

    Yaramar, eu ainda fico relendo a dedicatoria q vc fez em meu Circulos de Chuva. Sou muito grato por ter te conhecido e ao pessoal de DdE.

    ResponderExcluir
  5. Que texto lindo! Fiquei emocionada com tudo que escreveu. É muito gostoso ver um sentimento tão puro e verdadeiro.

    O Raphael é abençoado por ter um leitor tão querido e saiba que assim como eles já te tenho no coração.

    Que as fadas te iluminem sempre!

    ResponderExcluir
  6. Carol, fico sem palavras. Fico feliz que tenha gostado e fico em divida com vc, preciso ser um leitor seu tambem! Mas msm antes de ler O Inverno das Fadas, quero que saiba que já te admiro e gosto muito, já tem lugar reservado no meu coração ^^

    ResponderExcluir
  7. Jau, seu sentimental. (Mas adorei seu texto e invejei sua mochila de 48l cheia de livros)

    ResponderExcluir

Postagens populares