sexta-feira, 22 de março de 2013

Resenha - Os Dias do Cervo


Terceira resenha seguida. Acho que finalmente to entrando na linha hein?
=D
Hoje vamos falar do livro Os Dias do Cervo.






Autora: Liliana Bodoc

ISBN 978-85-7665-521-3

Sinopse: Os Dias do Cervo é o primeiro volume de A Saga dos Confins, uma epopeia fantástica cujo universo provoca a imaginação do leitor que se perde pelos caminhos de um mundo desconhecido e repleto de aventuras.

Com um pé na tradição celta e outro na mitologia latino-americana, Bodoc constrói uma saga que se destaca pela profunda e cuidadosa construção de personagens maravilhosos. Guerreiros, traidores e heróis são apresentados ao leitor revelando seu passado, suas ambições e seus temores.
Com este livro, Liliana Bodoc passa a ocupar um lugar privilegiado entre os melhores escritores de romances de fantasia dos últimos tempos.



Eu quis ler Os Dias do Cervo por muito tempo. Trabalhava em frente a uma livraria, então estava sempre passeando por seus livros. Um dia, andando pela sessão de destaques vi o livro e não pude deixar de dar uma foleada. 

Fiquei logo empolgado com o mapa da folha de rosto que ao invés de mostrar um mapa à semelhança da Europa, parecia mais com a América. Isso mais as sinopses do fundo e da orelha do livro me deixaram muito curioso, mas acabei sem comprar o livro no dia. Sempre que via ele em alguma outra livraria pensava: Ainda vou ler esse livro. Até que encontrei ele por $10 e aí não tinha como deixar a oportunidade passar. =D

O livro é o primeiro dA Saga dos Confins, que conta uma historia épica sobre o encontro das forças de Misáines com os habitantes das Terras Férteis.



Logo no inicio somos apresentados aos husihuilkes, um povo de cabelos pretos e olhos castanhos, guerreiros e orgulhosos. Eles me lembraram dos índios da América do Sul. A proposito, eles vivem mesmo no sul do continente. Conhecemos a família de Dulkancelin (o protagonista da historia), seu povo, seus costumes e também Kupuka, o bruxo da terra.
Uma das figuras que mais gostei na história foi Kupuka, ele tem uma aura de mistério e magia. Mas não uma magia qualquer, é a magia das Criaturas. Algo como uma mistura de pajé e xamã.


Acontece que a família de Dulkancelin recebe a visita de Cucub, um mensageiro que veio de muito longe, para levar Dulkancelin para uma reunião com representantes de todos os povos das Terras Férteis. Supremos Astrônomos percebeu que há navios chegando das Terras Antigas, mas não se veem em paz. Os povos devem decidir o que fazer.  Dulkancelin, então, parte numa jornada através do continente para representar o seu povo.

Já que toquei nesse assunto, vou continuar. Uma das coisas mais legais que encontrei no livro foi a diversidade de povos. Liliane Bodoc criou um mundo onde cada povo tem seus próprios costumes, características e até sua própria língua. Existem povos de cabelos e pele castanha como os índios, pastores que enfrentam o deserto, povos que tem pirâmides e se ornam de ouro como os Maias e várias outras criaturas. Existem também outros dois povos fantásticos que, pra mim, merecem atenção. Eles são o Clã das Corujas, um povo que vive no Tempo Mágico e é velho e sábio e os Lulus. Os Lulus são uma raça diferente. Eles têm caudas e dançam ao luar, mas entendem muito mais da Magia das Terras Férteis.


Os personagens do livro são bem construídos e caricatos. Cada um tem um papel específico. A partir das descrições das cenas, das falas e das descrições que Bodoc faz, dá pra perceber qual a personalidade e a índole do personagem.  Dá até pra prever o que eles vão fazer.

Agora chego na parte ruim. Para falar a verdade, pra mim, a historia é bem previsível, não tem muitas surpresas. Existem alguns momentos que eu nem imaginava que iam acontecer, e outros que até empolgam, mas na maior parte do tempo eu meio que já sabia o que ia acontecer.

Outra coisa que me incomodou foi o ritmo da historia. Ela parece se arrastar em alguns momentos para se soltar de vez só no final. A escrita também é bem descritiva. O que é bom em alguns momentos para imaginar os cenários exuberantes que Bodoc constrói. Mas em outros momentos é desnecessário. Juro que tinha horas que eu lia pulando palavras.
A verdade é que eu esperava mais do livro (e esperei por um bom tempo). Mas quando eu finalmente li não me empolguei.

De qualquer maneira, não digo que é um livro ruim. Veja bem, ele só não me empolgou. Eu passei um pouco mais de tempo lendo do que de costume, mas a historia é boa e bem construída. Os personagens são legais e os povos e cenários que a autora criou são fantásticos e originais.

É um bom livro pra ler, principalmente antes de dormir ou quando se está esperando. Ele não tem altas doses de adrenalina ou emoção, mas elas estão presentes. Assim como amizade, lealdade, traição e magia. Veja bem, este livro não garantiu prêmios para Liliane Bodoc e foi parar na mesa de destaque da livraria por acaso.


Os Dias do Cervo é o primeiro livro de uma trilogia. Os outros dois ainda não foram lançados no Brasil, mas pra falar a verdade (e apesar de minha semi-apatia) eu estou esperando que eles finalmente sejam lançados por aqui para saber o que mais acontece na historia.

Agora os

Critérios de Avaliação:

a) Arte da Capa: É uma ilustração em preto e verde, bonita até, mas que não tem absolutamente nada a ver com a historia do livro. O titulo e o nome da autora estão em branco dentro de um retângulo. A capa, apesar de não remeter á historia, está bem diagramada.

b) Trama: A narrativa segue meio arrastada até um pondo do livro e depois acelera. Cansei de ler em alguns momentos. Apesar disso, os momentos estão bem divididos e a história bem construída.

c) Caracterização dos Personagens: São muito bem estruturados e tem descrições que não deixam nenhuma duvida.

d) Qualidade do Livro (papel, letra, erros, etc.): Impresso em papel pólen, aquele amarelo e poroso. É bem leve, confortável aos olhos e fácil para virar as paginas. A Tipografia (Caslon) tem serifa* e um bom equilíbrio então é mais difícil de cansar. Pra terminar esse é mais um livro que tem Colofão* ♥.

e) Comparação com outras obras do Gênero: Esse é o maior trunfo do livro. A historia é muito original quando comparada com outras obras de fantasia. Ela não tem um ambiente medieval, como é comum, mas se baseia principalmente na cultura americana.

Nota: 3



Ps. Se você, como eu, adora ilustrações, a autora tem um projeto muito legal com o artista Gonzalo Kenny. Dá uma olhada aqui.



* Entenda as coisas que digo aqui.


Licença Creative Commons
Resenha - Os Dias do Cervo de Jau Santoli é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Baseado no trabalho em http://edensaga.blogspot.com.
Perssões além do escopo dessa licença podem estar disponível em http://edensaga.blogspot.com.

2 comentários:

  1. Oi, Moises,

    Conheci Os Dias do Cervo mais ou menos como vc... Um dia na livraria encontrei o título, li que era de uma escritora argentina e já tinha ganhado prêmios. Fiquei curiosa para conhecer uma fantasia de uma autora latina, mas no dia não tive nenhum trocado no bolso pra comprar,estava por R$34,90, eis que algum tempo depois encontrei o livro por 10 reais na feira do livro daqui! Ainda não li, está na lista de espera. E foi bom encontrar uma resenha sua sobre o livro, nunca tinha visto nenhum comentário sobre ele...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laísa =D

      Então, primeiro eu preciso dizer que a resenha é minha e não do Moises. Mas eu te perdoo por isso pq o blog é dele msm =P

      Segundo eu digo que achei o livro por $10 na Submarino. Acho ótimo esses lugares que ajudam a comprar livros hein?!
      Mas, obrigado pelo comentário. Acho que agora que vc conhece um pouquinho mais do livro pode se jogar nele. =D

      Excluir

Postagens populares