segunda-feira, 5 de agosto de 2013

[RESENHA] - O Senhor das Sombras



O Senhor das Sombras é o segundo volume da trilogia “Legado Goldshine”, iniciada por Leandro Reis em Filhos de Galagah. Neste livro, o autor dá continuidade à missão de Galatea na busca pela segunda runa. A aventura, agora, toma proporções épicas, e muitos mistérios deixados pelo primeiro volume, Filhos de Galagah, são respondidos, além das novas intrigas que são acrescentadas à trama.
Nesta sequência, Leandro Reis aprofunda o drama da bruxa vermelha, Iallanara Nindra, que, exposta aos seus maiores conflitos, é obrigada a fazer uma escolha crucial: matar sua única amiga e protetora, ou traí-la? Sukemarantus, manifestação do Mal, que tem o poder de controlar toda sorte de criaturas das trevas, lança mão de seus recursos mais vis para atingir seus sombrios objetivos.
Enquanto isto, a busca de Galatea segue por rumos inimagináveis, levando-a às tribos bárbaras das planícies do sul, uma sociedade ímpar e desunida, berço de poderosos guerreiros, essenciais para o sucesso desta nova cruzada.
Em O Senhor das Sombras, inúmeros desafios testarão nossos heróis fantásticos. Muitos sacrifícios serão necessários, enquanto o maior dos perigos se esconde dentro do próprio grupo. Nessa aventura, o fracasso espreita, ávido por um simples deslize, escondido nos cantos mais improváveis da história.




INFORMÇÕES:

Edição: 1
Editora: Idea Editora
ISBN: 97888121294
Ano: 2010
Páginas: 352

Skoob: [LINK AQUI]


Assista o trailer no youtube:
http://www.youtube.com/watch?v=sk3SrRi_Mds

***

Nesse segundo volume da trilogia Legado Goldshine o autor Leandro Reis da continuidade a saga da Campeã Sagrada Galatea Goldshine em busca das crianças portadoras das runas do deus Radrak.

Novos conflitos são explorados, novos personagens são integrados ao grupo de nossa campeã e com isso novos inimigos também se levantam. Leandro continua com sua escrita de Timing rápido, sucinta e inteligente.

O crescimento visível que Galatea adquiriu durante o primeiro livro Filhos de Galagah, veja resenha, [LINK AQUI], é explorado ainda mais nesse segundo volume. As batalhas e conflitos que se levantam exige mais da guerreira e novas escolhas são feitas, mas dessa vez ela tem alguns auxílios que não tinha no primeiro volume: Os Dragões guardiões.

Essa parte, explorada de forma única por Leandro, conquista o leitor. Mostrando não apenas história de dragões rotineiras como é mostrando em muitos livros, mas ele nos apresenta verdadeiros Guerreiros alados, sejam eles do lado do bem ou do lado do mau.

Mais uma vez Leandro nos faz refletir sobre Fé e destino, através de Galatea. Toda fé que a campeã emana me fez pensar novamente nas crenças que acredito e nos atos que pratico. Parece até engraçado, mas mais uma vez essa leitura me veio na hora certa.

Após saírem de Lemurian, a cidade invertida, nossos guerreiros rumam para o sul de Galagah, enfrentam mortos-vivos, zumbis, bruxas e almas penadas. A Floresta dos Enfocados, lugar tão tenebroso quanto os Campos de Sangue faz a diferença no cenário da história. Nesse volume é contada boa parte da história de outros reinos e o leitor tem uma visão mais ampla do que Leandro Reis criou.

Aventura, medo, desejo, luta e traição preenchem as páginas de O Senhor das Sombras. Uma leitura obrigatória para quem gosta de Fantasia.



Critérios de avaliação:

a) Arte da capa.
Ilustrada pelo artista Licínio Souza, a capa revela a maldade que espera nossos guerreiros. A exploração de Sukemarantus, (meu vilão preferido, até o momento), e considerado o Senhor das Sombras nesse volume,  o maior desafio de nossa Guerreira dourada.

b) Trama
Os laços que envolvem a trama da trilogia são endossados nesse volume e várias variáveis acrescentadas. O ponto negativo pra mim, foi o uso de personagens que curam. Acho que se usado com frequencia acaba por fazer a trama perder um pouco sua força, deixando o leitor meio que acomodado, sem aquela sensação de uma possível perda. Embora o mapa no final do livro ajude, um melhor detalhamento dele com relação as cidades faria diferença para melhor entendimento do leitor. Fica a dica.

Os pontos positivos foram os pontos de virada, principalmente os que encerram o Plot da obra e os muitos underplots que Leandro carregou ainda desde o primeiro livro. Uma maior exploração dos personagens e os muitos conflitos criados.
Se comparado com o primeiro livro, alguns pontos em Filhos de Galagah são mais intensos, mas a quantidade de informação sobre a história de Melkearis e a evolução e crescimento que os personagens passam, nos traz uma leitura de igual valor.


c) Caracterização de personagens

Leandro constrói personagens reais e com características muito diferentes. A bruxa Iallanara possui um papel fundamental nesse volume, e ela ganha força dentre os demais personagens, fazendo-nos gostar mais dela, mesmo a mesma ainda praticando o "lado negro da força" e tramando contra nossa Campeã Sagrada.
A evolução de Galatea (e nem preciso dizer que ela de longe é minha personagem favorita), é estrondosa. Há uma maior exploração do mago elfo Sephiros, mas é com o espadachim Gawyn que Leandro acerta. De longe um dos personagens mais importantes do livro, não pela sua importância na trama, e sim pela responsabilidade de dar leveza à obra e se encarregar de nos proporcionar risos e descontração.

d) Qualidade do livro (papel, letra, erros e etc)
Publicado pela Editora Idea, meu exemplar é um broxura de 15x23 cm, com folhas brancas. Novamente Leandro abusa das ilustrações no começo da cada capítulo, o que enriquece em muito o livro, fruto da união dos artistas: Licínio Souza, Valdez Oliveira e Ig guará.
e) Comparação com outras obras do gênero
Uma das melhores séries de fantasia que já li. Leitura obrigatória para quem gosta do gênero.

NOTA: 5



Um comentário:

  1. Uau, o livro parece conter todos os elementos necessários para prender a atenção do leitor do inicio ao fim.
    Ainda nao conhecia esta trilogia, nem o autor, mas fiquei bastante curiosa.

    http://confraria-cultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postagens populares