quarta-feira, 23 de setembro de 2015

[RESENHA] - O Garoto Quase Atropelado

INFORMAÇÕES:

Edição: 1
ISBN-13: 9788562409462
ISBN-10: 8562409464
Ano: 2015 / Páginas: 272
Idioma: português
Editora: Faro Editorial
Skoob: [LINK AQUI]
Saraiva (Físico): [LINK AQUI]
Saraiva (Digital): [LINK AQUI]
Submarino:[LINK AQUI] - OPÇÃO MAIS BARATA


______________***________________



                                                                                            SOBRE O AUTOR:
Vinícius nasceu no estado do Rio de Janeiro e quando pequeno, tinha o sonho de trabalhar em uma livraria apenas para poder ler tudo o que fosse possível. Aos sete anos, escreveu e ilustrou seu primeiro livrinho e desde então não parou mais. Já participou de algumas antologias e concursos audiovisuais, sendo Sereia Negra seu primeiro livro publicado. Atualmente mora em Juiz de Fora, Minas Gerais, onde estuda Jornalismo.











___________________***______________________


      Olá galera.
     Sei que estive muito ausente ao longo desses quase dois anos, mas MUITAS coisas aconteceram na minha vida que colaboraram para que eu me afastasse das postagens aqui do site. Mas isso eu falarei em outro post.
     Hoje vim aqui para fazer mais uma resenha para vocês. Simmmmm, quanto tempo que não saía uma resenha minha.
      Bom vamos lá.


*** ESTAR VIVO E VIVER SÃO COISAS ABSOLUTAMENTE DIFERENTES***


    O Garoto Quase atropleado é um drama adolescente. Segundo o catálogo da própria Faro Editorial é um "Diário Brasileiro" (Muito estranho catalogoar um livro de romance assim, mas, cada um é cada um). E tudo bem que faz um pouco de sentido, mas pra mim não deixa de ser estranho.

    Grossos retrara em sua obra uma história repleta de conflitos, descobertas e emoções. Segundo o Skoob ele é similar à Will & Will, Quem é você Alasca, As Vantagens de Ser Invisível e Cartas de Amor aos Mortos. Em suma um romance adolescente escrito de forma descontraída e agradável, não importa a idade que você tenha.

   O que me cativou no O Garoto Quase Atropelado #OGQA#, foi a forma sutil como Grossos retrata a vida em toda sua simplicidade, intensidade, complexidade e sei lá mais quantos mais alguma coisa ...idade eu poderia enumerar aqui.

   Por mais que as pessoas estejam acostumadas (ou não) nos dias de hoje em ouvir falar de assuntos como Preconceito Bulling, Pedofilia, Depressão, Bulimia e mais tantos outros casos, muito disso acontece muitas vezes ao nosso lado, talvez na casa de um dos nossos vizinhos, na casa da garota da rua de cima, com o menino que senta ao seu lado no ônibus de manhã, e nem percebemos.

   Se fosse descrever OGQA, eu descreveria como uma caixa de sentimentos intensos e descobertas. E o mais interessante é que Grossos consegue nos fazer indetificar com todos os seus personagens. Mesmo que talvez não tenhamos passado pelos exatos problemas deles, mas a forma como ele manipula os sentimentos, faz com que consigamos identificar sensações vividas em nossa infância, adolescencia e juventude, mesmo que de outra meneira.

    Colocarei aqui as mesmas palavras que Grossos define O Apanhador no Campo de Centeio, mas para mim é com essas palavras que defino OGQA: "Esse livro retrata a adolescência de maneira fiel, sem nada muito trágico, explosivo ou politicamente correto. É apenas um livro sincero, com uma mensagem profunda e tocante".

  O melhor de tudo é que seu personagem principal não possui um nome, pois para mim OGQA pode ter sido eu, você ou qualquer outra pessoa. Independente de quem sejamos, existe um pouco de todos nos no OGQA (ou existe um pouco do OGQA em todos nós).

   Vocês conhecem meu estilo de resenha, e eu não vou ficar aqui falando sobre a história do livro, porque eu acho isso muito superficial e desinteressante. Quando eu procuro um título novo para ler, eu não quero saber a história que ele conta e sim o que eu devo esperar com relação aos sentimentos e sensações que eu terei ao lê-lo.

   Então, se você quer viver uma breve vida adolescente, abarrotada de sentimentos, reviver dias novos preenchidos com verdadeiras amizades. Se você quer chorar ao acompanhar os problemas que OGQA passa. Se você quer reviver as descobertas da vida. Resgatar lembranças boas e ruins que você passou, afinal não importa, todas elas formaram quem você é hoje. E se você é quem é hoje, isso se deve ao resultados de suas crenças, sentimentos e comunicações. Pois toda comunicação gera um pensamento... Todo pensamento gera um sentimento... Todo sentimento gera uma crença e crenças são autorealizaveis, por isso acontecem.


!!ESSE LIVRO É PARA VOCÊ!!!

   Acompanhando toda a história Grossos nos traz uma trilha sonora única e excepcional, ao qual faz total diferença no desenrolar da história. Para finalizar minha resenha só posso dizer que... OGQA é uma história a cima de tudo sincera e veradeira, por isso posso dizer que:


Vinicius conseguiu me atropelar com esse livro.





CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO:


a) Arte da capa:

    Fazia MUITO, mas MUITO tempo que eu não gostava tanto com uma arte de capa como essa. No quesito de desenho e não de fotomontagem. Por isso quero deixar meus sinceros parabéns ao Osmane Garcia Filho e Nata_Danilenko por todo o trabalho realizado.
   Capas elas devem coonter a essência que o livro traz, ao mesmo tempo que deve ser convidativa aos olhos do publico alvo. A capa de OGQA consegue exercer as duas coisas. 


b) Trama:

   Grossos fez uma trama simples, sem querer estourar fogos de artifícios a cada capítulo e é isso que tornou a história ainda mais real. Ele retrata a verdadeira face da adolescência e mostra todas as facetas que podem existir dentro de nós. Ao longo do caminho ele trabalha a técnica de forma agradável e os underplots (sub-tramas) que vão surgindo, conseguem se encaixar bem à linha principal.
    O que não me agradou foi o pouco aproveitamento do climax que antecede o final. Grossos nos prepara de forma a esperar algo, ao menos para mim, e no desfecho do climax eu senti falta de esse algo. Não que o final seja ruim, pelo contrário, foi muito bom. Apenas a parte do fechamento do climax foi que poderia ser melhor trabalhado.



c) Caracterização dos personagens:
    Todos os personagens do OGQA são tão reais que parecem que fizeram parte de nossas prórprias vidas. Tanto o personagem principal quanto seus companheiros, possuem vidas completamente diferentes mas que se completam ao entrelaçarem seus destinos. E no meio disso tudo consegue nos deixar sendo a bolinha dentro do triângulo. (O que não entendeu? Vá ler o livro... hauhauhauha).
   É muito bom quando nos identificamos com os personagens da história, seja a menina maluca e imprevisível, o amigo que já se foi e não volta, a garota problemática, o menino que tem medo de sair do armário, a mãe que deixa sua vida para que sua família seja feliz.
Tanto faz... Seja você quem for, vai encontrar abrigo e aconchego em alguns desses, talvez mais que eu encontrei, talvez menos. 


d) Qualidade do livro (papel, letra, erros e etc.):

   A Faro Editorial fez um ótimo trabalho na qualidade do livro e ele cheira maravilhosamente bem. Vocês sabem que eu AMO cheirar livros né. A diagramação está linda e quase não me atacou meu TOC. 
  Perdeu pontos comigo por não ter colocado colofão no final, pois fiquei curioso com relação ao material utilizado.  (Vlws Faro Editorial, tentem acertar na próxima okay?, colofões são necessários, lembrem-se disso.)
   A revisão por conta da Gabriela de Avila foi muito bem realizada e foi um dos poucos livros nacionais que eu realmente vi um trabalho excepcional com relação a revisão. Teve apenas alguns pontos que me incomodou, coisas que poderiam soar distoante ou ambíguas, mas vocês sabem como sou chato né? kkkkkk.... No geral gostei.
    O meu contato com esse livro foi diferente dos demais. Em primeiro lugar vocês sabem como eu detesto ler sinopses, pois elas geralmente acabam destruindo meu interesse pela obra; a do OGQA não deixa de sair da lista. Sim odiei a sinopse, mas não por completo. Eu trocaria tudo o que está escrito lá atrás pelas duas últimas frases da própria sinopse e aí sim. Ficaria excelente.
   

e) Comparação com outras obras do gênero:

   Não que eu concorde com todas as comparações que o Skoob fez, mas em suma acredito que Grossos foi um diferencial no mercado editorial nacional, pois traz a simplicidade que não consigo encontrar em muitos outros autores. Talvez a que ele mais se equipara é com As Vantagens de Ser Ínvisivel. Não pela história, mas pela essência com que Grossos trabalha. Pois se resume em uma única figura: O triângulo com a bolinha dentro



NOTA: 4,7



Licença Creative Commons
[RESENHA] - O Garoto Quase Atropelado de Moisés Suhet está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Um comentário:

  1. Perfeita! Gostaria de ler mais resenhas assim. Menos spoiler e opiniões pessoais que não acrescentam nada a obra, e mais opiniões técnicas, que realmente agregam e despertam o interesse do leitor.
    Parabéns!

    ResponderExcluir

Postagens populares