terça-feira, 7 de junho de 2011

SELVA DE PEDRA


O tempo das horas da vida,
A vida sem tempo de horas.
As horas que são preechidas pelo som das turbas,
Milhares delas que desfilam aqui e acolá;
Ante e em meio a selva de pedra.

A selva de pedra do sentido da vida,
Pelo menos, para quase todo mundo.
Uma pedra que respiramos.
Uma selva em que moramos.
Assim é a cidade grande.

E na selva de tudo há:
Há leões que reinam, e devoram cidadãos;
Há macacos que roubam bananas das "árvores" ao lado;
Há flores que ataviam e perfumam a terra;
E há espinhos que desperfumam os rios.

Há pássaros gigantes, que sobrevoam casas de João-de-barro;
e há minhocas de trilhos que atrapalham a vida de muitos esquilos.

E em tudo; a vida é mantida.
Cada macaco no seu galho,
Cada um em seu canto, mas ao mesmo tempo tudo junto e misturado;
Na selva de pedra,
Na selva de pedra humana,
Onde vive um bicho chamado homem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares