quinta-feira, 16 de junho de 2011

VIDAS ABSTRATAS



As pessoas vivem pela sombra de um quadro abstrato
Onde não há cor; apenas linhas imaginárias.
Fingem enxergar o azul do céu num crepúsculo de uma tarde vazia;
Mas o que veem são rostos desgastados, mentes cansadas.



O vento sopra e leva as coisas boas da vida
Fazendo ecoar vozes inocentes! Vozes negligentes!
E ainda expressam-se levianamente
Condescendentes às suas vontades podres e hipócritas.




Enquanto suas vidas seguem,
Cores profanas inundam as labutas de suas telas.
Noites mal dormidas! Vidas não vividas!
Fingem serem o que não são e vivem
Sonhos inacabados! Flashes desgarrados!


São alienadas pela própria vontade,
Cegos pelo caminho que seguem
Circundado por plumas de espinhos venenosos
Criados pelos seus desejos pervertidos e insaciáveis.



E quando algumas dessas máscaras caem
Rapidamente a inquisição se inicia,
E mais uma vez, uma “bruxa” inocente é queimada,
À vista de todos, que com olhares céticos.
Despejam todo ódio retraído ao réu.
E voltam às suas vidas abstratas e seguem suas linhas imaginarias.

Um comentário:

  1. Hi, I came across your site and wasn’t able to get an email address to contact you. Would you please consider adding a link to my website on your page. Please email me back and we'll talk about it.

    Thanks!

    Madison
    maddie0147@gmail.com

    ResponderExcluir

Postagens populares