terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Memórias de um alguém


1.      ECO DE PORCELANA
Eu ouço uma música que ressoa sobre o vazio sem cessar
Há muito a janela de cera estava fechada;
Mas o som da tua voz abriu-a novamente.
A vela que um dia foi quebrada
Fez cair seus pedaços nas águas da alma,
Permitindo seu doce cordão queimar meu espírito
Com a chama que nunca se apaga.

Cante mais alto!
Só assim serei libertado do meu sofrimento.
Os primeiros raios de luz já inundam o átrio
Levando meu torpor para longe de mim.
Agora descansarei em seus braços
Até que a noite vermelha se levante;
E as estrelas cintilam alvas no céu enegrecido.

Um novo tempo surgirá
E o dia iluminado acabará;
Levando para longe os espíritos maus.
Porque você está chorando? Levante e beba
Das águas puras e cristalinas de Alamás
Pois em Ullitien há vida em esplendor.




2. ESPERA
Quando o relógio dos tempos parou
Ordenou que a lua chorasse e se voltasse contra os homens
Homens mortais fados ao descanso eterno no vazio;
Homens fracos e facilmente corrompíveis.

O céu estava nu.
Deixando as estrelas ataviarem a abóbada do firmamento
Trazendo esperança aos fracos.
Para onde foram as aves?
Agora que o lírio branco já se abriu.

Agora voltarei para o ocaso
E esperarei paciente
Aquele que mudará o curso dos tempos
Atingirá a alma das eras
E ferirá o grande dragão
E devolverá a honra dos homens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares